04 julho 2012

JÓ CLAMOU POR JESUS


O livro de Jó é esplêndido e excepcional dentre os livros do chamado Antigo Testamento (ou melhor, Tanach), pois:
- Dá detalhes específicos sobre a criação do universo e da terra, por um ângulo diferente de Gênesis, informações essas só comprovadas há pouco tempo pelas descobertas científicas espaciais (Jó 38);
- Revela claramente a atuação do Inimigo de nossas almas (Jó 1;2);
- Também, de forma profética, anuncia a vinda do Salvador, o que iremos estudar aqui.

Jó viveu entre os dias de Noé a Abraão.
_Ele nasceu na época em que o Dilúvio e a Torre de Babel ainda eram bem recentes (Jó 12:23).
_A terra onde Jó morava, Uz, é o nome de um dos descendentes de Sem (Gênesis 10:23), que também viveu nos dias da Torre de Babel, época em que o planeta foi dividido em continentes por causa do dilúvio, e os territórios separados por família por causa da confusão das línguas, ou seja, a “terra de Uz” é o território que foi separado para Uz morar, após o episódio da Torre de Babel (Gênesis 10:26).
_“Todo Poderoso”, ou “El Shadday” (אל שדי), o nome utilizado para se referir ao Criador a partir dos dias de Abraão (Gênesis 17:1; Êxodo 6:3) é utilizado neste livro por mais de 30 vezes (Jó 5:7; 6:4; 8:3,5; 11:7; 13:3; 15:25; 21:15,20; 22:17,23,25,26; 23:16; 24:1; 27:10,11; etc.).
_A idade de Jó equivale a idade dos homens que viveram na época de Abraão. Jó 42:16 mostra-nos que ele viveu, depois da restituição, 140 anos. Se ele recebeu tudo em dobro, inclusive a idade, morreu então com 280 anos. Comparemos, então, com os homens que viveram nesta época: Pelegue, o homem que viveu na época da Torre de Babel, viveu 239 anos (Gênesis 10:26). Reú viveu 239 anos. Serugue viveu 230 anos. Naor viveu 148 anos. Terá viveu 205 anos. Abraão viveu 175 anos. Isaque viveu 180 anos. Jacó viveu 147 anos...

Alguns querem atribuir ao livro de Jó uma data após o cativeiro babilônico, mas Ezequiel 14:14-20 já menciona este homem de Deus. Além disso, os costumes de Jó em levantar altares (Jó 1:5; 42:8) também se ligam à época de Abraão (Gênesis 12:8; 13:4,18). Jó cita sacerdotes fora do templo em Jerusalém e sem citação à linhagem levítica (Jó 12:19), ligando-se também a Abraão, que conheceu um sacerdote que não era da linhagem levítica (Gênesis 14:18). Além de tudo isso, o livro de Jó não menciona Israel ou o pacto mosaico, mostrando a crença em um Deus universal, e não judaico. Embora escrito em hebraico, é tão antigo que parece ter sido escrito na época do surgimento do hebraico, pois há muitos termos que são ditos apenas uma vez e muitas palavras raras, de difícil tradução. Quanto à forma de escrita, existem traços literários com a literatura de Ugarit, em concreto com a épica de Kirta. Há ainda paralelos com o chamado Jó babilônico conhecido pelas tablitas do século VII a.C., mas que possui uma forma mais antiga pelo menos de 1000 anos. O mesmo se diga do paralelo sumério que remonta mais ou menos do ano 2000 a.C.

Jó Clama:
Em meio a todo seu sofrimento, que neste momento não trataremos aqui, Jó anseia entender a causa destes males e, de tanto ser acusado por seus equivocados amigos, começa a levantar um clamor muito peculiar e interessante ao Senhor Deus:

Jó Clama por um Árbitro
Jó 9:2,3; 19,20; 32,33 - Jó reconhece que é incapaz de se defender diante do tribunal de Deus (“como se justificaria o homem para com El?”... “Se quiser contender com Ele, nem a uma de mil coisas lhe poderá responder”... “Se eu me justificar, a minha boca me condenará; se for perfeito, então ela me declarará perverso. Porque ele não é homem, como eu, a quem eu responda, vindo juntamente a juízo.”), lamenta por não haver um intercessor entre Deus e os homens (“quanto ao juízo, quem me citará com Ele?”) e reclama por um Árbitro (“Não há entre nós árbitro que ponha a mão sobre nós ambos.”).

Árbitro é aquele que resolve questões por consenso de duas partes conflitantes. Por exemplo, num jogo de futebol, um time alega que sofreu falta e seu adversário alega que não cometeu a falta. O árbitro, que é neutro na competição, define se foi, ou não, falta. Ou seja, Jó começa a clamar por alguém que estivesse entre ele e Deus para defender sua causa.

Jó Clama por um Libertador Deus-Homem
Jó 10:2,4-9  - O desejo de Jó é que existisse um Libertador (“ninguém há que me livre da tua mão”) que ao mesmo tempo entendesse a mente de Deus (“Direi a Deus: Não me condenes; faze-me saber por que contendes comigo”), mas que também entendesse na pele a limitação humana (“Tens tu porventura olhos de carne? Vês tu como vê o homem? São os teus dias como os dias do homem? Ou são os teus anos como os anos de um homem...?” e “como barro me formaste e me farás voltar ao pó”).

Jó Sugere a Morte de um Justo como Culpado
Jó 13:3,6,15,18 – Em dado momento, Jó se sente capaz de interceder por si próprio (“Mas eu falarei ao El Shadday, e quero defender-me perante El... Ouvi agora a minha defesa, e escutai os argumentos dos meus lábios... contudo os meus caminhos defenderei diante d’Ele. Eis que já tenho ordenado a minha causa, e sei que serei achado justo.”), sabendo que mesmo que morra ao se justificar diante de Deus, iria, após a morte, esperar a justiça de Deus, que com certeza viria, sendo assim, ressuscitaria para ver o bem (“Ainda que Ele me mate, n’Ele esperarei”). Jó estaria aqui começando a profetizar que viria um que, mesmo morrendo como pecador, em favor do homem, ressuscitaria por não ter pecado? Quem seria este árbitro ou libertador que ele tanto pede?

Jó Sabe onde está seu Intercessor/ Árbitro/ Libertador/ Deus-Homem/ Testemunha
Jó 16:18,19,21 – Jó reconhece que sua testemunha contra Deus é aquele que está nos céus (“Ah! terra, não cubras o meu sangue e não haja lugar para ocultar o meu clamor! Eis que também agora a minha testemunha está no céu, e nas alturas o meu testemunho está... Ah! se alguém pudesse contender com Eloah pelo homem, como o homem pelo seu próximo!”), mas quem seria o humano capaz de chegar aos céus para defender Jó, sendo seu intercessor, árbitro, libertador, Deus e testemunha capaz de confrontar com êxito o próprio Deus a seu favor? Há alguém equivalente a Deus? Há mais de uma pessoa divina? Jó conhecia as três pessoas...

Jó Clama por um Fiador
Jó 17:3 – Jó utiliza agora de mais uma nomenclatura para falar sobre aquele a quem ele ansiava. Desta vez o chamou de fiador (“Promete agora, e dá-me um fiador para contigo; quem há que me dê a mão?”).
Fiador é a pessoa que toma sobre si a responsabilidade de cumprir a obrigação do devedor, caso ele não cumpra. O fiador assume a obrigação com o credor, dando-lhe maiores garantias e possibilidades de receber a sua dívida, respondendo, caso não haja o resgate do débito, com seus bens patrimoniais pessoais. Se o devedor não pagar a dívida ou seus bens não forem suficientes para cumprir a obrigação, o credor poderá voltar-se contra o fiador, reclamando o pagamento, para assim se cobrar.
Sendo assim, Jó entende pela inspiração do Espírito Santo que, mesmo que ele fosse encontrado pecador diante de Deus, seu Fiador seria capaz de pagar sua dívida e, enfim, justificá-lo. Além disso, Jó entendeu que o próprio Deus se faria homem, para sofrer a dor no lugar da humanidade...

Jó Clama por um Redentor
Jó 19:25-27 – Jó, desta vez, cita o termo Redentor, dizendo que este se levantará no fim sobre a terra, ou seja, Ele ressuscitará e, com Ele, Jó também ressuscitará para ver, com seus próprios olhos carnais, o Senhor Deus (“Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra. E depois de consumida a minha pele, contudo ainda em minha carne verei a Eloah, vê-lo-ei, por mim mesmo, e os meus olhos, e não outros o contemplarão; e por isso os meus rins se consomem no meu interior.”). Esses versículos, muito utilizados hoje, têm uma profundidade incrível:
Primeiro porque o termo redentor, ou remidor, foi utilizado por Moisés em Levítico 25:26 para se referir à pessoa que, no ano do jubileu, tinha condições financeiras de restituir ao seu parente judeu que perdeu suas posses nos anos anteriores, ou seja, o redentor, parecido com o fiador, era o que assumia a dívida do oprimido. Em Rute 3:9,12,13; 4:1,3,6,8,14 vemos o exemplo de Boaz, que foi o parente de Noemi que concedeu de volta a esta sua herança, casando-se com sua nora Rute. Ou seja, Jó sabia que alguém pagaria sua dívida com Deus.
Deus é espírito e ninguém pode vê-lo (Êxodo 33:20,23; I Timóteo 6:16), mas Jó afirma que veria Deus, e ainda mais: ele veria Deus ainda em carne, o que foi possível quando Jesus veio em carne e se revelou fisicamente. Ele mesmo disse: “e aquele que me vê, vê aquele que me enviou” e “aquele que me viu, viu também o Pai.” (João 12:45; 14:9).
Além disso, Jó também entendeu que Deus se faria homem muito depois de sua morte quando afirma “por fim” e “depois de consumida a minha pele”. Havia realmente uma promessa desde os dias de Adão, quando Deus avisou que daria luz a um “Filho” de forma milagrosa pela mulher, este seria morto pelo Maligno, mas depois Ele voltaria para destruí-lo (Gênesis 3:15). Unindo a profecia de Gênesis com o livro de Jó, é nítido de que os homens daquela época já conheciam as duas vindas de Cristo: na primeira Ele morreria, para pagar a dívida do ser humano, como fiador e redentor. Na segunda, Ele voltaria para derrotar de vez o Inimigo e ressuscitar aqueles que creram nEle. O mais incrível é que, além de Jó entender que Jesus viria, ele sabe que não viria em seus dias (e por isso os meus rins se consomem no meu interior.”). Jó viveu aproximadamente 2000 anos antes de Jesus se fazer homem... Jesus é a resposta para Jó. Ele é o único ser existente que tem as duas naturezas: ao mesmo tempo é homem e Deus, e intercede por nós     (Romanos 8:34; Hebreus 2:17; 4:14,15; 5:1-10; 9:11,12)

Jó Clama pelo Reto
Jó 23:3-7 – Na angústia de sua dor, Jó insiste em ter um encontro com Deus e alega que se estivesse diante do tribunal divino argumentaria contra Deus e o Reto o defenderia (“Ah, se eu soubesse onde O poderia achar! Então me chegaria ao Seu tribunal. Exporia ante Ele a minha causa, e a minha boca encheria de argumentos. Saberia as palavras com que Ele me responderia, e entenderia o que me dissesse. Porventura segundo a grandeza de Seu poder contenderia comigo? Não: Ele antes me atenderia. Ali o Reto pleitearia com Ele, e eu me livraria para sempre do meu Juiz.”). Enfim, o último nome que Jó deu para o Senhor Jesus.

Jó Aguarda Respostas
Jó não imaginava que suas palavras, sua história e cada resposta de seus questionamentos um dia estariam unidos num livro que hoje chamamos Bíblia.
Jó 19:23-24 - “Quem me dera agora, que as minhas palavras fossem escritas! Quem me dera, fossem gravadas num livro! E que, com pena de ferro, e com chumbo, para sempre fossem esculpidas na rocha.
Jó 31:35 - “Ah! quem me dera um que me ouvisse! Eis que o meu desejo é que o El Shadday me responda, e que o meu adversário escreva um livro.

Jó Foi Parcialmente Respondido
O Intercessor, Árbitro, Libertador, Deus-Homem, Testemunha, Fiador, Redentor e Reto, a quem Jó tanto ansiou veio e pagou a sua dívida. Mas não só a dele, mas de todos os homens.
Jesus é a resposta de Jó. E ele creu cerca de 2000 antes. Há os que hoje, cerca de 2000 anos depois, não crerem nEle, infelizmente. Mas se você está lendo esta mensagem até aqui, saibas que isso não é em vão. Deus tem um propósito sublime de perdoar todos os nossos pecados se crermos e nos entregarmos a Jesus Cristo. Deus se fez homem e habitou entre nós. Ele entregou a Sua vida por amar-nos. E você? Entregue a sua vida a Ele!

Por onde importava que em tudo fosse ele feito semelhante a seus irmãos, para que viesse a ser um sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas referentes a Deus, a fim de fazer propiciação pelos pecados do povo.” Hebreus 2:17

Brevemente, Jesus voltará e não somente Jó, mas todos os que creem em Jesus ressuscitarão com Ele e gozarão de uma eternidade em Seu Reino de paz. Aproveite esta oportunidade, busque uma Igreja mais próxima de sua casa e se una a pessoas que servem a Jesus, e a ninguém mais (nem santos, nem entidades, nem mesmo autoridades humanas), leia a Palavra, dedique-se a oração. Jó, mesmo em vida, teve um encontro com Deus através de um redemoinho. Deus tem Suas formas de agir e poderá se revelar a você também.

Mensagem compartilhada na Igreja Assembléia de Deus Nova Jerusalém no Guandu, no Culto de Missões, dia 20/05/12

Um comentário:

Amarildo Araújo disse...

Texto brilhante para quem quer conhecer a história desse grande homem!