26 março 2019

A ORIGEM DA CIVILIZAÇÃO PELA FAMÍLIA DE CAYN



As Respostas estão na Bíblia

Calculando os anos mencionados na Bíblia para o primeiro homem, Adam, e seus descendentes, a partir de Gênesis 05 em diante, podemos concluir que a história da humanidade tem cerca de seis mil anos.
Gênesis é o livro dos inícios. Além do princípio do universo, da vida e do homem, nos revela também o início da civilização humana.

Embora as teorias ditas científicas narram uma história um tanto diferente, a arqueologia está longe de determinar exatamente como foi. Isso porque ela busca reconstituir, a partir de vestígios, ideias sobre como possivelmente tudo, ao longo do tempo, foi-se transformando, evoluindo. Mas nenhum de seus esforços foi capaz de comprovar as origens. Nem a origem do universo, nem a origem da vida, nem a origem do homem.
Embora os acadêmicos se debruçam em qualquer achado como artefatos, estruturas, construções, obras de arte, alterações do meio ambiente, comércio e fatores biológicos procurando pistas, não podem trazer conclusões contrárias as Escrituras Sagradas.

Pelo contrário, embora em tese queiram discordar do sobrenatural, a pá do arqueólogo cada vez mais comprova que a história bíblica é real. Cidades outrora cobertas pelas areias do deserto, líderes desconhecidos do passado e costumes antigos antes só citados pela Bíblia foram descobertos nas últimas décadas. E, já que profecias tão antigas se cumpriram fielmente, a mensagem divina contida nessa história também não pode ser negada.

Com relação ao surgimento do homem, evolucionistas sugerem, o que não é um consenso, que a alimentação contribuiu para que os ‘ancestrais’ humanos passaram por diversas fases em que foram se aperfeiçoando até chegar ao nosso corpo atual:
1. Primeiro comiam os vegetais que achavam, possivelmente elaborando ferramentas para facilitar a busca,
2. Depois passam a comer, além da vegetação, animais mortos que achavam, o que se permitiu aperfeiçoar os instrumentos para tais feitos,
3. Por causa da suposta Era Glacial, já não encontravam facilmente os alimentos e passam a caçar, surgindo, então, instrumentos como a lança para atacar suas vítimas a partir de uma distância segura.
4. Com a descoberta do fogo, passam a cozinhar, o que teoricamente faria o cérebro se desenvolver e tornarem-se, de fato, humanos.
5. Por último, os primeiros homens desenvolvem a prática da agricultura e, com o avanço tecnológico, surgem as primeiras cidades.

Com apenas algumas variantes, quem quer que tenha elaborado a ideia acima, parece ter se baseado nas Escrituras Sagradas, por incrível que pareça, e vamos aqui entender o motivo.

Do ponto de vista da antropologia a civilização pode até ser algo positivo, pois, numa perspectiva evolucionista, é o estágio mais avançado de determinada sociedade humana, depois da era primitiva e da barbárie. Civilização deriva do latim civita, que designa cidade, e civile, o seu habitante (civil).
Mas, pela perspectiva divina, em que circunstâncias surge a ‘civilização’? Será que foi desenvolvida com base no progresso humano, ou sua queda?

A partir deste momento, este estudo abordará o começo da sociedade humana, através da história da família de Cayn que é descrita em Gênesis, capítulo 04 e encontraremos essas respostas.

Os nomes têm significados

Antes de começarmos esse estudo, é importante frisarmos que vamos avaliar dois pontos dos descendentes de Cayn:
1. O relato sobre os comportamentos que os descendentes de Cayn adotaram em vida;
2. E/ou o significado de seus nomes.

Ligar o nome da pessoa à sua história parece sem sentido para nós na atualidade, pois hoje os nomes, na maioria das vezes são dados sem uma ligação com o significado. Por exemplo, meu nome foi uma homenagem ao pai da minha mãe. Mas não é porque eu tenha alguma característica que relembre ele. Receber este nome foi apenas uma forma de tributo ao homem que deu a vida à minha mãe.
Mas nem sempre foi assim. As Escrituras Sagradas por diversas vezes cita que as pessoas antigas recebiam um nome em referência a algum fato ocorrido relacionado a sua história, ou alguma característica física ou algum comportamento.

 “E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.” Gênesis 2:23
“E chamou Adão o nome de sua mulher Eva; porquanto era a mãe de todos os viventes.” Gênesis 3:20
“E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem.” Gênesis 4:1
 “E não se chamará mais o teu nome Abrão, mas Abraão será o teu nome; porque por pai de muitas nações te tenho posto;” Gênesis 17:5
“Disse Deus mais a Abraão: A Sarai tua mulher não chamarás mais pelo nome de Sarai, mas Sara será o seu nome. Porque eu a hei de abençoar, e te darei dela um filho; e a abençoarei, e será mãe das nações; reis de povos sairão dela.” Gênesis 17:15,16
“E Abraão pôs no filho que lhe nascera, que Sara lhe dera, o nome de Isaque... E disse Sara: Deus me tem feito riso; todo aquele que o ouvir se rirá comigo.” Gênesis 21:3-6
“E depois saiu o seu irmão, agarrada sua mão ao calcanhar de Esaú; por isso se chamou o seu nome Jacó. E era Isaque da idade de sessenta anos quando os gerou.” Gênesis 25:26
“E disse Esaú a Jacó: Deixa-me, peço-te, comer desse guisado vermelho, porque estou cansado. Por isso se chamou Edom.” Gênesis 25:30

Como podemos ver nos versículos citados acima, e por diversas outras passagens por todas as Escrituras, os nomes sempre tinha um sentido especial. Com Cayn e sua família não seria diferente.


1. CAYN

“E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem.
E deu à luz mais a seu irmão Abel; e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra.
E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor.
E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura; e atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta.
Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o semblante.”
Gênesis 4:1-5


* Cayn nasceu sob expectativas erradas. O nome Cayn significa ‘adquirido’, ‘obtido’, ‘possuído’, ‘lança’, enquanto o nome Abel significa ‘vapor’, ‘vaidade’, ‘futilidade’, ‘sem valor’, ‘vão’.
Ao analisar os significados dos nomes dos dois filhos de Adam e Eva, o que vem a nossa mente? Por que Eva deu esses ‘títulos’ para seus filhos? Sob quais expectativas cada um foi gerado?
Os títulos de ‘Conquista’, para o primeiro, e ‘Inutilidade’ para seu irmão, denota que Eva projetou muitas esperanças positivas para seu filho Cayn, mas desprezou seu filho Abel.
Lembre que Cayn foi o filho nascido após o juízo divino descrito em Gênesis 3. O casal tinha ouvido a profecia:

“E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Gênesis 3:15

Eva recebeu Cayn sob a esperança que ele poderia ser o descendente da mulher que destruiria o poder de Satan, cumprindo a promessa do Criador. Mas a profecia não se referia a ele ou qualquer outra pessoa que nascesse naquela época. O descendente da mulher, o Messias, só viria a nascer 4 mil anos depois...


* Cayn tornou-se, como seu pai Adam, lavrador, e estes devem ter desenvolvido instrumentos para poder trabalhar a terra, plantar e colher.

Os primeiros homens eram vegetarianos, ou herbívoros, como queiram chamar:

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.” Gênesis 1:29
“E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente...” Gênesis 2:16
“E toda a planta do campo que ainda não estava na terra, e toda a erva do campo que ainda não brotava; porque ainda o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra.” Gênesis 2:5

O último texto acima nos informa que a vegetação só apareceu na terra depois que Adam surge dela. Adam é a semente que ‘brota’ da terra, para fazer germinar todas as outras sementes.

“E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, do lado oriental; e pôs ali o homem que tinha formado. E o Senhor Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal.” Gênesis 2:8,9

Quando Adam nasce, não dava tempo de esperar até uma fruta nascer, até porque tem determinadas árvores que demoram anos para gerar frutos. Mas, pelos, em questão de dias, Adam pode ter experimentado as primeiras verduras. Depois de algumas semanas, os primeiros legumes e, após um tempo, os primeiros frutos.



No começo, a forma de alimentação era o forrageamento, ou seja, a saída para a procura de alimento em ambientes naturais, sem muitos esforços prévios. Adam tinha todo um planeta para explorar e, pelo menos a princípio, ele não precisava plantar. Mas isso era questão de tempo. Ele nasceu com a tarefa de lavrar a terra, isso porque em algum momento ele e sua família esgotariam a alimentação à disposição e teriam que aprender a plantar...

Após ser expulso do Paraíso, Adam não tem escolha. Ele precisará plantar para sobreviver. Surge a agricultura, da qual Cayn também se servirá para sobreviver, pelo menos por um espaço de tempo:

“O Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra de que fora tomado.” Gênesis 3:23

Sendo assim, desde o primeiro homem, a prática da plantação e colheita já eram conhecidas e, para isso, Adam pode perfeitamente ter aprendido com o reino animal a utilizar recursos para poder plantar e colher. Lembre-se que este não foi criado ignorante, sem linguagem e intelecto. Ele tinha, sim, uma inteligência capaz de desenvolver ferramentas para fazer buracos no chão, cortar uma melancia, triturar grãos ou lançar instrumentos tipo dardos para derrubar as frutas das árvores mais altas.
Para isso, Adam teve oportunidade de aprender muita coisa com os animais, pela observação, enquanto nomeava cada um e cumpria sua missão de dominar sobre eles:

“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.” Gênesis 1:26
“Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo...” Gênesis 2:19,20

Um dos significados para o nome hebraico Cayn é ‘lança’. Essa é a comprovação de que em seus dias já eram utilizadas ferramentas para o trabalho e, mais tarde, este pode ter sido utilizado para cometer o primeiro crime, matando seu irmão Abel, ou, então, como a lança se tornou um forte instrumento assassino, pode ter recebido o nome do primeiro assassino. Seja como for, esta arma ficou sendo chamada pelo nome de seu dono, ou inventor, ou mesmo fonte de inspiração.

Tanto as lanças encontradas de pedra ou metal, até as lanças dos desenhos rupestres são provas arqueológicas de que este utensílio é um dos mais antigos da história da humanidade.




 
* Cayn cultuava a Deus junto com seu irmão, porém, de aparências. Sua vida religiosa em nada tocava a Deus. Sabemos disso porque, antes de reprovar a oferta de Cayn, Deus reprovou a sua vida...

“E aconteceu ao cabo de dias que Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor... Mas para Caim e para a sua oferta não atentou...” Gênesis 4:3-5

O problema não estava na qualidade da oferta ou no tipo de oferta que ele levou para Deus, pois o Senhor aceita oferta de cereais:

“Então trarás a oferta de alimentos, que se fará daquilo, ao Senhor; e se apresentará ao sacerdote, o qual a levará ao altar.” Levítico 2:8

Abel ofereceu a Deus os primogênitos de suas ovelhas, porém, isso não significa que eles já comiam carne animal. Até porque, a primeira vez que aparece uma liberação oficial para se comer carne foi no texto a seguir, após o dilúvio, mais de 1.600 anos depois do surgimento de Adam:

“Tudo quanto se move, que é vivente, será para vosso mantimento; tudo vos tenho dado como a erva verde...” Gênesis 9:3

É importante informar que o surgimento da alimentação carnívora nas Escrituras não é símbolo de evolução. Não há como provar que comer carne fez o cérebro de um ser humano se desenvolver. Isso não existe! Pelo contrário, após a mudança de alimentação e as mudanças climáticas e geográficas do dilúvio, a Palavra de Deus mostra que o homem passou a viver cada vez menos... Para notar isso, compare as idades dos homens de Gênesis 5 com as idades dos homens de Gênesis 11.



 

ASSASSINO CAYN
“E o Senhor disse a Caim: Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante?
Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.
E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou.
E disse o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão? E ele disse: Não sei; sou eu guardador do meu irmão?
E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra.
E agora maldito és tu desde a terra, que abriu a sua boca para receber da tua mão o sangue do teu irmão.
Quando lavrares a terra, não te dará mais a sua força; fugitivo e vagabundo serás na terra.
Então disse Caim ao Senhor: É maior a minha maldade que a que possa ser perdoada.
Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei; e serei fugitivo e vagabundo na terra, e será que todo aquele que me achar, me matará.
O Senhor, porém, disse-lhe: Portanto qualquer que matar a Caim, sete vezes será castigado. E pôs o Senhor um sinal em Caim, para que o não ferisse qualquer que o achasse.”
Gênesis 4:6-15

* Cayn não fazia o bem. O próprio Deus disse que Cayn era mal: “Se bem fizeres, não é certo que serás aceito?...” Gênesis 4:7 Se Cayn precisava fazer o bem para ser aceito, é porque ele não fazia o bem... E, embora a vida de Cayn seja um caos, ele continuava sendo religioso. Não se apartava do altar do Senhor... Que perigo corremos de viver uma vida religiosa longe da presença de Deus...
* Cayn matou seu irmão, o justo Abel, por inveja. A crueldade de Cayn, enfim, se revela. Enquanto os dois exercem suas atividades normais no campo, Cayn se levanta brutalmente e mata seu irmão.
* Cayn afronta o Senhor. Deus, sabendo de tudo o que havia ocorrido, dá a oportunidade de Cayn se confessar, perguntando sobre seu irmão, porém ele age como uma criança malcriada, questionando se ele deveria ser guardador de seu irmão. Com quem ele pensava que estava lidando?
* Cayn é amaldiçoado pelo que cometeu, e não poderia ser mais lavrador. Agora Cayn, ao tentar plantar, não conseguiria mais ver o fruto do seu trabalho. A sua plantação seria seca. Como, então, ele iria sobreviver, a partir de então? Ou se humilharia e viveria dependente dos outros, ou, então, assumiria a postura de malfeitor e ladrão... O que será que ele escolheu?
Essa nova forma de viver de Cayn vai estimular um novo tipo de sociedade.
É neste contexto que surge a primeira sociedade.
E, inspirados na antiga forma de Abel cultuar, oferecendo animais, quem sabe, eles encontram uma forma de sobreviverem e, ao mesmo tempo, afrontarem ao Criador, que, até então, não teria liberado a alimentação carnívora.
* Cayn não reconhece seu erro, nem as consequências dele, mas culpa a Deus. Se ele alega “... É maior a minha punição do que a que eu possa suportar...” Gênesis 4:13 então ele está acusando Deus de não saber julgar. Deus deu um castigo para ele maior do que o necessário.
* Cayn assumiria a postura de fugitivo, correndo de Deus e dos outros. Em nenhum momento Cayn pede perdão, ou diz que está arrependido de ter assassinado seu irmão Abel. Agora ele fugirá da presença de Deus e também teme que, possivelmente seus irmãos, os outros filhos de Adam e Eva, se vinguem dele. Disse Cayn: “...e qualquer que me encontrar matar-me-á.” Gênesis 4:14
* Cayn é reservado para o juízo do próprio Deus, no futuro. O Senhor não mata Cayn, e coloca nele um sinal misterioso para que ninguém o mate, pois Ele próprio reservou para o culpado um juízo no futuro...




OS FILHOS DE CAYN
“Então saiu Caim da presença do Senhor, e habitou na terra de Node, ao oriente do Éden. Conheceu Caim a sua mulher, a qual concebeu, e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade, e lhe deu o nome do filho, Enoque. A Enoque nasceu Irade, e Irade gerou a Meujael, e Meujael gerou a Metusael, e Metusael gerou a Lameque. Lameque tomou para si duas mulheres: o nome duma era Ada, e o nome da outra Zila. E Ada deu à luz a Jabal; este foi o pai dos que habitam em tendas e possuem gado. O nome do seu irmão era Jubal; este foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta. A Zila também nasceu um filho, Tubal-Caim, fabricante de todo instrumento cortante de cobre e de ferro; e a irmã de Tubal-Caim foi Naamá. Disse Lameque a suas mulheres: Ada e Zila, ouvi a minha voz; escutai, mulheres de Lameque, as minhas palavras; pois matei um homem por me ferir, e um mancebo por me pisar. Se Caim há de ser vingado sete vezes, com certeza Lameque o será setenta e sete vezes.” Gênesis 4:16-24

* Cayn saiu da presença do Senhor, e vai ainda mais para o Oriente. Quando Adam, seu pai, foi expulso do Paraíso, este saiu para o Oriente. Agora Cayn vai mais ainda para o Oriente, simbolizando o afastamento ‘total’ de Deus.

Judas escreve sobre os falsos crentes de seu tempo, comparando-os com homens do passado, dizendo que esses seguiram o caminho de Cayn. Vejamos:

“Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo... contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades...Estes dizem mal do que não sabem; e, naquilo que naturalmente conhecem, como animais irracionais se corrompem. Ai deles! porque entraram pelo caminho de Caim... Estes são manchas em vossas festas de amor, banqueteando-se convosco, e apascentando-se a si mesmos sem temor... E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos; Para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra Ele. Estes são murmuradores, queixosos da sua sorte, andando segundo as suas concupiscências, e cuja boca diz coisas mui arrogantes, admirando as pessoas por causa do interesse.” Judas 1:4-16

Esta carta cita vários personagens das Escrituras Sagradas, mas dois nos chamam atenção: Cayn e Enoque. Sobre Cayn, é mencionado que os ímpios (do passado e do presente) seguiram um caminho que ele percorreu. E sobre Enoque, é mencionado que estes ímpios sofreriam o juízo da vinda do filho de Deus (em breve comentaremos sobre a ira manifestada do céu).

Fica-nos as perguntas:
1. Quem são esses homens ímpios do período de Cayn e Enoque? Seriam apenas os descendentes de Cayn? Não. Mas todos os que eles influenciaram, é o que vamos meditar mais para frente.
2. Qual foi o caminho de Cayn e dos seus seguidores? Não somente ir para o Oriente, se afastando geograficamente representando o afastamento espiritual do Senhor, mas também o que se comprova pelo texto abaixo:

“Porventura queres guardar a vereda antiga, que pisaram os homens iníquos? Eles foram arrebatados antes do seu tempo; sobre o seu fundamento um dilúvio se derramou. Diziam a Deus: Retira-te de nós. E: Que foi que o Todo-Poderoso nos fez?” Jó 22:15-17

Vereda é o mesmo que caminho.  O caminho de Cayn e seus seguidores foi tentar levar a vida como se fosse possível viver sem Deus...




* Cayn edifica uma cidade, uma fortificação. Chegando na terra de Node, Cayn constrói a primeira cidade registrada nas Escrituras. Enoque significa dedicação, inauguração. Começa-se um novo tempo, e uma descendência que não busca a Deus. A prova disso é o texto que vem logo a seguir:

“Tornou Adão a conhecer sua mulher, e ela deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Sete; porque, disse ela, Deus me deu outro filho em lugar de Abel; porquanto Caim o matou. A Sete também nasceu um filho, a quem pôs o nome de Enos. Foi nesse tempo, que os homens começaram a invocar o nome do Senhor.” Gênesis 4:25,26

O que fazia Adam, Cayn e sua descendência, enquanto os filhos de Sete buscavam a Deus?

Muitas vezes, textos resumidos em uma parte das Escrituras são explicados em outra parte. Sendo assim, embora em Gênesis 04 não vemos muitos detalhes sobre como se sentiam os descendestes de Cayn, por incrível que pareça, vamos perceber essas sensações na história de outro homem, chamado Salomão que, durante a sua juventude, se esqueceu do Senhor, e se dedicou a satisfazer todos os seus prazeres naturais, e ele vai nos dizer a que conclusões chegou:

“Busquei no meu coração como estimular com vinho a minha carne (regendo porém o meu coração com sabedoria), e entregar-me à loucura, até ver o que seria melhor que os filhos dos homens fizessem debaixo do céu durante o número dos dias de sua vida. Fiz para mim obras magníficas; edifiquei para mim casas; plantei para mim vinhas. Fiz para mim hortas e jardins, e plantei neles árvores de toda a espécie de fruto. Fiz para mim tanques de águas, para regar com eles o bosque em que reverdeciam as árvores. Adquiri servos e servas, e tive servos nascidos em casa; também tive grandes possessões de gados e ovelhas, mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém. Amontoei também para mim prata e ouro, e tesouros dos reis e das províncias; provi-me de cantores e cantoras, e das delícias dos filhos dos homens; e de instrumentos de música de toda a espécie...  E tudo quanto desejaram os meus olhos não lhes neguei, nem privei o meu coração de alegria alguma; mas o meu coração se alegrou por todo o meu trabalho, e esta foi a minha porção de todo o meu trabalho. E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito, e eis que tudo era VAIDADE e aflição de espírito, e que proveito nenhum havia debaixo do sol... Por isso odiei esta vida, porque a obra que se faz debaixo do sol me era penosa; sim, tudo é VAIDADE e aflição de espírito.” Eclesiastes 2:3-17

No texto acima o rei Salomão em sua velhice olha para o passado e vê o quanto ocupou seu tempo com as coisas dessa vida. Bebidas, construções, domínio de pessoas, gado e reinos, riquezas, músicas que não adoram a Deus e demais prazeres da carne. A sua descrição se parece muito com a que vamos ler dos descendentes de Cayn. No final, ele conclui que tudo isso é vão, vento, vaidade... É como ele dissesse: Na verdade, quem merecia ser chamado de Abel era seu irmão, não ele, pois a melhor coisa que o homem pode fazer debaixo do sol é buscar ao Senhor...

É importante salientar aqui que não é pecado satisfazer prazeres dentro de um determinado tempo e ordem estabelecidos pelo Criador. E não é pecado estudar, se desenvolver intelectualmente, trabalhar, buscar estabilidade financeira, adquirir bens etc. O problema é quando o homem faz isso tudo longe de Deus, com o propósito apenas de se satisfazer. Como disse Salomão: para mim... para mim... para mim... para mim... Qualquer que seja a nossa atividade que não tem o propósito de glorificar ao Senhor, ou ser de alguma maneira útil para o Reino de Deus, é vão, é inútil, é “Abel” (ou melhor, é seguir os passos de Cayn)...

Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias... E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu. Vaidade de vaidades, diz o pregador, tudo é vaidade... De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.” Eclesiastes 12:1-14

Vamos analisar a partir de agora os filhos de Cayn e perceber o porque afirmamos ter sido os homens que influenciaram aquela que se tornou a pior geração de todos os tempos:




 



2. HENOK / INVENÇÕES DE MALES

Não podemos confundir este Enoque com o Enoque do capítulo 05 de Gênesis que foi arrebatado...

No hebraico, Enoque, ou Henok [חנוך] significa iniciado, experiente, ensinado, consagrado, dedicado, inaugurado (Essa palavra hebraica aparece nos seguintes versículos: Provérbios 22:6; Deuteronômio 20:5; I Reis 8:63; II Crônicas 7:5).
Enoque é tanto o nome do filho de Cayn após a fuga, quanto o nome da cidade que Cayn edificou.
O significado do nome Enoque reforça o surgimento da geração citada pelo apóstolo Paulo no texto que vamos ler abaixo. Enoque representa o início de um novo tempo. Uma nova forma de tentar viver longe da presença de Deus, os tais ‘inventores de males’:

“Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça... Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador... Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; Estando cheios de toda a iniquidade, fornicação, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, INVENTORES DE MALES, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; Os quais, conhecendo o juízo de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.” Romanos 1:18-32

O apóstolo Paulo na passagem acima se refere a homens ímpios inventores de males que sofreram/sofreriam a ira de Deus que se manifesta do céu. Essa passagem nos lembra muito o período anterior ao dilúvio (a ira de Deus manifestada do céu) e a partir dos que vieram após Enoque conheceremos um pouco mais sobre esses inventores de males.

“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente.” Gênesis 6:5

Imaginação é a faculdade de inventar a partir da combinação de ideias, é a capacidade de formar imagens mentais originais, é ter criatividade, fantasia. Ou seja, os homens que foram julgados pelo dilúvio são chamados, em outras palavras, de “mentes férteis”. Seriam os inventores de males, de Romanos 1. Um período de grandes ‘descobertas’, não apenas para o benefício humano, mas com uma tendência para o mal...

Os estudiosos do assunto reforçam as Escrituras Sagradas ao afirmarem que a fundação das primeiras cidades ocorreu no Oriente Próximo. Eles dão pelo menos três sugestões para o surgimento das cidades:
- O desenvolvimento da agricultura irrigada nas planícies dos grandes rios. A abertura de canais de irrigação, drenagem de pântanos e construção de represas e poços, para o melhor aproveitamento das águas, contribuíram para os homens da antiguidade começarem as primeiras construções.
- O desenvolvimento de tecnologias para estoque da produção agrícola.
- A descoberta e uso do bronze (metal conseguido a partir da mistura do cobre e do estanho), que substituiu definitivamente a pedra na manufatura de todas as espécies de armas e ferramentas.

Já citamos aqui a ligação de Cayn com a agricultura, desde cedo. Mas também vamos comprovar na genealogia de Cayn a ligação de um de seus descentes com o manuseio do metal...

A grande maioria das cidades antigas eram cercadas por muros para se protegerem dos invasores. As muralhas de pequenas cidades eram geralmente feitas de madeira, enquanto as muralhas de cidades importantes ou grandes cidades eram feitas de pedra, mármore e cimento.
A cidade de Enoque foi construída sob o medo de Cayn. O medo da vingança. Tanto o medo de ser julgado pela morte de Abel, quanto o medo de ser vingado pela nova forma que utilizaria para sobreviver, possivelmente o furto das colheitas alheias.


3. AYRADE / FUGITIVO

No hebraico [עירד] significa isolado, fugitivo, perseguido͟ (Essa palavra hebraica ocorre também nos seguintes textos: Josué 2:16,22; 8:24; Neemias 9:11).
O neto de Cayn, assim como ele, seria reconhecido como o “fugitivo”. Mas, por que uma pessoa receberia um nome como este?

“E tornou Adão a conhecer a sua mulher; e ela deu à luz um filho, e chamou o seu nome Sete; porque, disse ela, Deus me deu outro filho em lugar de Abel; porquanto Caim o matou.” Gênesis 4:25
“Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei; e serei fugitivo e vagabundo na terra, e será que todo aquele que me achar, me matará.” Gênesis 4:14

Como Eva sabia que Cayn matou Abel? Como qualquer que encontrasse Cayn tentaria vingar-se da morte do irmão Abel? O crime de Cayn não ficou em oculto. De alguma forma, todos souberam.

“... fugitivo e vagabundo serás na terra... serei fugitivo e vagabundo na terra...” Gênesis 4:12-14

Se nesta nova forma de se viver em sociedade, Cayn precisa se esconder, os seus filhos tendem a seguir seus passos. Isso é possível observar até hoje dentro de uma comunidade, por exemplo, onde há crianças e adolescentes que crescem identificando os marginais como verdadeiros herois, corajosos e há quem sonhe ser como eles quando crescerem.
Não podemos generalizar, mas os filhos tendem a copiar e até a intensificar os erros que veem nos seus pais.

Se agora Cayn e seus filhos não podem mais lavrar a terra, terão que se humilhar e pedir. Mas Cayn pediria a quem, se todos estão contra ele? Ele vai sobreviver, ou do que outros plantaram, saqueando a colheita de parentes, ou encontrando uma nova forma de se alimentar...


4. MEUYAEL / DEUS FERIU

O nome Meujael (ou Meuyael ou Mehaweyel) é a transliteração da palavra hebraica מחויאל. Esse nome é a junção de pelo menos três termos: מ (Quem?) + חוי (Prostrado, ferido) + אל (Deus). Seria “Quem foi ferido por Deus” ou “Quem fere a Deus?”.
O termo חוי (HUY ou HWY) nunca aparece sozinho nas Escrituras. É a raiz de várias palavras:
1. KIMËTAHAVEY - distância de um tiro de arco (Gênesis 21:16);
2. SHËTAHAVEYÅN [שְׁתַּחֲוֶיָן] ou SHËTAHAVYM [שְׁתַּחֲוִים] ou SHËTAHAVYTEM [שְׁתַּחֲוִיתֶם] ou SHËTAHAVYTÅ [שְׁתַּחֲוִיתָ] ou SHËTAHAVÅYÅTY [שְׁתַּחֲוָיָתִי] - se inclinaram, prostraram, curvaram, adoraram (Gênesis 37:7,9; Êxodo 24:1; Deuteronômio 4:19; 8:19; 11:16; 26:10; 30:17; Josué 23:16; I Samuel 15:30; II Samuel 16:4; I Reis 9:6; II Reis 5:18; Ezequiel 8:16; Sofonias 1:5; Salmos 45:12; Ester 3:2; Neemias 9:3,6; II Crônicas 7:19; 29:28 ).
3. LËHAHAVÅYÅH [לְהַחֲוָיָה] – Abrir, fazer conhecido, declarar, interpretar, decifrar, descobrir (Daniel 2:10,16,27; 5:12,15).
4. DËHUYÅH [דְּחוּיָה] – Curta enfermidade, prestes a cair, que se fendeu (Salmos 62:3)

“Até quando maquinareis o mal contra um homem? Sereis mortos todos vós, sereis como uma parede encurvada e uma sebe prestes a cair.” Salmos 62:3
“Até quando, juntos, atacareis o próximo para derribá-lo como a uma parede já inclinada, como a um muro que se fendeu?” Salmos 62:3

Seja com o significado de tiro de um arco, prostração, abertura ou fenda, o termo HWY tem sempre ligação com ferida. E o nome Meujael (Mehaweyel) não nos trás boas impressões. Caso esse nome signifique “Quem fere a Deus?”, nos remete a um período em que alguém tentou atingir a Deus de alguma maneira. ‘Ferir a Deus’ pode significar atingi-lo, afetá-lo de alguma maneira não física. Até porque os homens não podem sequer alcançar Deus fisicamente, quanto mais tocá-lo ou feri-lo (a não ser que Deus se fizesse homem, como ocorreu muito tempo depois).

Meujael representa uma geração que desejava afrontar Deus. Mas isso só seria possível se eles tentassem atingir a Deus atacando Seus filhos, assim como Cayn fez com o justo Abel. E, como consequência, ele fez parte de uma geração que foi “ferida por Deus”, seja com diversos tipos de juízos ou mesmo pelo dilúvio.

Mas, como provar que a descendência de Cayn queria afrontar Deus? Leia os textos a seguir:

“Então disse Caim ao Senhor: ... da tua face me esconderei... e saiu Caim de diante da face do Senhor, e habitou na terra de Node, do lado oriental do Éden.” Gênesis 4:13-16
“A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.” Gênesis 6:11-13
“E aconteceu que, partindo eles do oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e habitaram ali.” Gênesis 11:2 ... “E este foi poderoso caçador diante da face do Senhor; pelo que se diz: Como Nimrod, poderoso caçador diante do Senhor. E o princípio do seu reino foi Babel, e Ereque, e Acade, e Calné, na terra de Sinar.” Gênesis 10:9

Quando Cayn sai para mais distante do oriente do Éden, diz que ele saiu de ‘diante da face do Senhor’. Mas se a terra estava corrompida e cheia de violência, ‘diante da face do Senhor’, é porque a crueldade chegou até lá. Quando Nimrod volta do oriente para governar Sinear e Babel (a mesma localidade do Éden), e exerce seu poder de cruel caçador e rebelde ‘diante da face do Senhor’, é um sinal de que ele dá sequência ao que se fazia antes do dilúvio: homens que vinham do Oriente para atacar os filhos de Deus nas proximidades do Éden.

O termo HAMAS [חמס] significa violência. Uma violência contra os filhos de Deus. É a reação daqueles que foram treinados por Cayn para atacar os que foram escolhidos/ aprovados por Deus, seja porque estão atrás de comida, pois a terra já não lhes dá mais o seu fruto, ou porque querem provocar a Deus.
Sendo assim, enquanto próximo ao Éden os filhos de Sete buscavam a Deus, na terra de Node, na cidade de Enoque, os filhos de Cayn a cada dia se preparavam para atacar...
“Naqueles dias estavam os gigantes na terra...” Gênesis 6:4

“O Senhor, porém, disse-lhe: Portanto qualquer que matar a Caim, sete vezes será castigado. E pôs o Senhor um sinal em Caim, para que o não ferisse qualquer que o achasse.” Gênesis 4:15

Meuyael também lembra seu antecessor Cayn pelo fato de que Cayn também foi ‘ferido’ por Deus, para que ninguém mais o ferisse. A marca de Cayn, que não se tem prova alguma que seja a cor da pele ou qualquer outra suposição, é um sinal de que somente Deus poderia derramar Seu juízo contra ele... Sendo assim, o destino de Meuyael também estava traçado...


5. METUSAEL / IDOLATRIA

O nome Metusael [מתושאל] significa ‘Deus é adulto’, ‘um adulto é Deus’, ou possivelmente ‘Deus é um homem adulto’.
Como mencionamos antes, Cayn, embora vivesse longe da presença de Deus, nunca quis se apartar dos arredores do santuário. Ele realizava seus rituais de culto, ainda que Deus o reprovasse.

“Ao cabo de dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor.” Gênesis 4:3

O homem tem a necessidade de Deus, um vazio em seu espírito que, muitas vezes, tenta ser preenchido por tudo, menos pelo único que pode preenchê-lo.

Se Cayn teve a audácia de acusar a Deus, diante dEle, o que ele não inventou para seus filhos a cerca do Senhor? Possivelmente Cayn tentou preservar uma versão sobre o passado em que ele pudesse ser o mocinho da história, e o Deus Criador, o culpado.
Cayn é como um crente que se afastou, mas embora saiba da sua condição de culpado, sempre tentará demonstrar para os outros que está bem. Que, “da forma dele”, é possível continuar servindo a Deus. E acaba inventando a sua forma de servir aquele(s) a quem ele chama de deus(es).

Em cada cidade da antiguidade, geralmente no centro, havia templos, na maioria em forma de pirâmide/torre, onde os deuses eram cultuados. Em muitas delas, os deuses eram os líderes tribais, ou o fundador da sua tribo/povo/cidade que teria vencido os deuses dos outros reinos e teria se ‘tornado’ um deus mais forte.

“E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu e deu à luz a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um homem.” Gênesis 4:1

Cayn pode ter crescido sobre a perspectiva de que era o filho de Deus, mas agora ele é seu próprio deus...


6. LAMER

Não podemos confundir o Lameque, descendente de Cayn, com o Lameque, pai de Noé, do capítulo 05 de Gênesis. Este Lameque é aquele cuja história é a mais clara dentre os descendentes de Cayn. Vejamos os três destaques deste homem:

* Bigamia: “Lameque tomou para si duas mulheres: o nome de uma era Ada, e o nome da outra Zila.” Gênesis 4:19

É na sociedade de Cayn que surge nas Escrituras Sagradas a depravação sexual. Lameque se casou com duas mulheres! Alguém pode contestar dizendo: Naquela época podia... Mas quem disse que em algum período da humanidade Deus aprovou a bigamia? Pelo contrário.
Todos os homens nas Escrituras que se uniram a mais de uma mulher ao mesmo tempo, sofreram grandes e trágicas consequências: Abraham, Jacó, David, Salomão etc.

Vamos analisar os nomes das duas esposas de Lameque:
- ADA, no hebraico [עדה] significa adorno, enfeite, ornamento (Êxodo 33:6), povo, grupo, família (Êxodo 12:19) ou testemunha (Provérbios 14:5). É estranho o fato da mesma palavra significar ‘testemunha’ ao mesmo tempo que ‘adorno, enfeite, ornamento’. ‘Enfeitar’ lembra contar uma mentira, mudar a versão da história, a fim de agradar, ou, no caso, proteger o réu.
- TZILÁ, no hebraico [צלה] significa assar (Isaías 44:16) e sua raiz também trás o sentido de sombra (Salmos 17:8), proteção ou defesa (Eclesiastes 7:12). ‘Proteger e defender’ fazendo ‘sombra’, ou escondendo, também denota uma falsa testemunha protegendo o réu.
Sendo assim, os nomes das duas esposas de Lameque têm ligação com um tribunal montado, onde elas poderiam estar ali para defender o marido. E são elas a quem ele evoca para apresentar seus feitos:

*Extrema Violência: “Disse Lameque a suas mulheres: Ada e Zila, ouvi a minha voz; escutai, mulheres de Lameque, as minhas palavras; pois matei um homem por me ferir, e um mancebo por me pisar.” Gênesis 4:23

Além de demonstrar não estar arrependido dos assassinatos que cometera, ainda tenta justificar. Ele matou um homem porque o feriu e um menino por ter pisado nele. Tanto o que feriu quanto o que o pisou podem nem ter tido a intensão de cometê-lo, mas para Lameque isso já é motivo suficiente para matar outro ser humano... Que cruel!

Por mais que vivamos em um período de grande violência, ainda não chegamos ao cúmulo. Pelo menos eu nunca ouvi falar de alguém que tenha matado um jovem por ter pisado. Aliás, no trem, ônibus e metrô o que mais tem são pessoas pisando, sem intensão o pé de outra... Imagina se isso fosse a causa da morte de alguém? A que ponto a sociedade de Cayn chegou?
Mas Lameque é só um exemplo do que estava se multiplicando... O pior estava por vir...
Se Lameque fizesse parte dos ‘gigantes’ que existiram na antiguidade, ainda viriam gigantes piores que ele, depois que os filhos de Deus se unissem aos filhos de Adam...
Para Deus trazer o dilúvio sobre a terra e ceifar quase toda a humanidade, é porque o comportamento humano estava completamente desenfreado...

Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama. E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração. E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito... A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra.” Gênesis 6:4-12

*Zombou do juízo divino: “Porque sete vezes Caim será castigado; mas Lameque setenta vezes sete.” Gênesis 4:24

Algumas traduções está ’70 vezes 7’, porém outras está ’77 vezes’, mas não pode ser 77.
A ideia aqui é a mesma da profecia a seguir:
“Setenta semanas estão determinadas... para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniquidade, e trazer a justiça eterna...” Daniel 9:24
Numa tradução mais simples, seria ‘setenta setes’, ou seja, “setenta vezes sete’.

Lameque considera seus erros 70 vezes pior do que seu antepassado. Ou seja, se Cayn é culpado porque matou seu irmão por inveja, o que terá feito seu descendente?
Cayn não aceitou o juízo divino, dizendo que seria pior do que ele poderia suportar. Porém Lameque faz pior: zomba do juízo do Criador à Cayn e ameaça dizendo que quem tentasse se vingar dele seria punido 70 x 7. Uma alusão ao juízo sobre quem tentasse vingar-se de Cayn, que seria punido sete vezes mais.

“O Senhor, porém, disse-lhe: Portanto qualquer que matar a Caim, sete vezes será castigado. E pôs o Senhor um sinal em Caim, para que o não ferisse qualquer que o achasse.” Gênesis 4:15

A fala de Jesus está ligada a este contexto. Sim, Jesus nos estimula a perdoar 70 vezes 7 uma pessoa. É como se este termo se tornasse sinônimo para o pior grau de pecado:
“Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete.” Mateus 18:21,22

O problema é que Lameque não está nenhum pouco preocupado em confessar seu pecado, mas sim, a partir do momento em que foi descoberto, justificá-lo...


7. YAVAL

“E Ada deu à luz a Jabal; este foi o pai dos que habitam em tendas e têm gado.” Gênesis 4:20

YAVAL, no hebraico [יבל] significa corrente de água (Isaías 30:25; 44:4), fluir, trazer, levar, guiar, conduzir, arrebatar (Jó 10:19).
O termo pai em Gênesis 4 não necessariamente precisa significar que os filhos biológicos dele possuíram tendas e gado. O termo pai aqui pode ser traduzido como o ‘primeiro’, ou ‘primeiro de muitos’.
O próprio nome Jabal faz referência a um líder, uma pessoa que ‘arrasta’ multidões, como um rio.

Ser o ‘pai dos que habitam em tendas e têm gado’ denota a ideia de propriedade, posse.
Até então, os filhos de Adam viviam cuidando do campo, cada um com sua função, a fim de todos compartilharem do fruto de seu trabalho. Veja Abel, que muito antes já cuidava de ovelhas.
Mas agora surge a ideia do poder, da apropriação de territórios, animais, produtos etc.

“... também tive grandes possessões de gados e ovelhas, mais do que todos os que houve antes de mim em Jerusalém.” Eclesiastes 2:7

Já que os descendentes de Cayn estavam sob maldição na colheita, eles podem ter inaugurado a alimentação de carne animal, até então, não autorizada pelo Senhor e isso justificaria alguns terem o controle do gado e, se fosse o caso, até comercializar.

“E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.” Gênesis 1:29

“E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra... Porque eis que eu trago um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que há espírito de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra expirará.” Gênesis 6:12-17

Por causa da mudança da alimentação humana, até os animais de alguma forma sofreram alteração de sua dieta. Como lemos no texto acima, até o comportamento dos animais foi alterado.



Embora seja uma excelente fonte alimentar, precisamos afirmar que não dependemos da ingestão de carne para garantir uma boa nutrição. Embora eu goste muito de carne, há grupos que retiram da natureza vegetal tanta proteína quanto dietas onívoras (alimentação de vegetais e animais).
Para a comunidade científica, é necessário diminuir o consumo de carne. Além do sofrimento animal, argumento que tem ganhado cada vez mais força em todo o mundo, as criações em larga escala causam um grande impacto ambiental, seja por causa do aquecimento global produzido pelo derramamento de sangue, seja por conta da quantidade de água que rebanhos e granjas no mundo inteiro consomem, seja de forma direta ou indireta. Além disso, o desmatamento para o aumento das pastagens, descarte de dejetos e carcaças e o uso de antibióticos para aumentar a produtividade também são um risco para o planeta.
Só para se ter uma ideia, para a produção de um quilo de carne bovina são necessários 43 mil litros de água, que passa desde a rega da pastagem ou da soja utilizada na ração do animal, até a quantidade que o gado consome. Já para a produção de um quilo de vegetais, a média é de 200 litros de água.
Não estamos estimulando aqui que se pare de comer carne animal, mas só explicando que um dia não foi assim. Alguns tentam, sem condições, se tornarem vegetarianos e acabam desenvolvendo anemia e/ou outras doenças por falta dos nutrientes necessários. Cuidado!

O que queremos informar é que o projeto original de Deus era muito bom! E é fato que um dia a natureza vai voltar como era no Princípio. Será o re-Gênesis, ou a regeneração! O urso e o leão, representando os carnívoros, voltarão a ser herbívoros!

“E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e o animal cevado andarão juntos, e um menino pequeno os guiará. A vaca e a ursa pastarão juntas, seus filhos se deitarão juntos, e o leão comerá palha como o boi. E brincará a criança de peito sobre a toca da áspide, e a desmamada colocará a sua mão na cova do basilisco. Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar.” Isaías 11:6-9

O último ponto que precisamos citar aqui é que, se Jabal passa a possuir gado para abater, a única ligação desse fato com a inovação de possuir tendas, seria aproveitar o couro dos animais para fabricar as cabanas/tendas.
Para aproveitar o couro dos animais, além de roupas, eles podem ter começado a produzir as tendas e viver de maneira nômade. Isso explicaria a mesma pessoa ser o pai dos que habitam em tendas e o pai dos que possuem gado...



8. YUVAL

“O nome do seu irmão era Jubal; este foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta.” Gênesis 4:21

YUVAL, no hebraico [יובל] significa ribeiro (Jeremias 17:8), ou contínuo do toque de uma trombeta, ou chifre de carneiro (Êxodo 19:13).
Assim como o nome Jabal faz referência a um líder, uma pessoa que ‘arrasta’ multidões, como um rio, Jubal praticamente significa o mesmo, porém uma letra diferencia para citar a sua prática de tocar instrumentos musicais a partir de chifres e ossos de animais.

Se Jabal foi um incentivador do consumo da carne animal e do uso da pele animal para construção de tendas, Jubal pode ter se apropriado do que sobrava dos animais para fazer instrumentos musicais, seja para adoração ou mesmo para entretenimento.
Os achados arqueológicos comprovam que a musicalidade é muito antiga e um fato em comum nos chama atenção. A utilização de ossos para a fabricação desses instrumentos.
Os cientistas descobriram até uma escala musical calculada a partir da disposição entre os orifícios das flautas encontradas de milhares de anos atrás.

- Um dos primeiros testemunhos da arte musical foi encontrado na gruta de Trois Frères, em Ariège, França. Esta mostra um tocador de flauta ou arco musical.


- Em 1995, o arqueólogo Ivan Turk encontrou um osso de urso em uma caverna da Eslovênia, e que ficou conhecido como a Flauta de Divje Babe. Restava apenas um fragmento da peça, feita do fêmur de um urso, mas sua idade garantia que ali estava um dos mais antigos instrumentos musicais já encontrado. Ao analisar o espaçamento entre os quatro orifícios que restavam da flauta, o musicologista canadense Bob Fink chegou à espantosa conclusão de que num passado tão remoto já usava a escala de sete notas que sustenta toda a música ocidental.

- Uma flauta de osso de pássaro descoberta em uma caverna da Alemanha foi entalhada e é o mais antigo instrumento musical artesanal já descoberto, dizem arqueólogos, oferecendo a mais nova evidência de que as primeiras populações humanas da Europa tinham uma cultura complexa e criativa. Uma equipe liderada pelo arqueólogo Nicholas Conard, da Universidade de Tübingen, montou a flauta a partir de 12 fragmentos de osso de abutre, espalhados por uma pequena área da caverna de Hohle Fels, no sul da Alemanha. Juntas, as peças formam um instrumento musical de 22 centímetros com cinco furos e uma extremidade em forma de "V".


- Fragmentos de osso e marfim de sete outras flautas também foram encontradas no sul da Alemanha e documentadas por Conard e colegas nos últimos anos.


9. TUVAL CAYN

“A Zila também nasceu um filho, Tubal-Caim, fabricante de todo instrumento cortante de cobre e de ferro...” Gênesis 4:22

Como discursamos anteriormente, Adam e seu filho Cayn eram lavradores e podem ter desenvolvido materiais para lhes auxiliarem no trabalho, por exemplo, lascando pedras.
Mas as técnicas foram se desenvolvendo. Os próprios ossos de animais podem ter sido utilizados e, a partir de então, surgido novas ideias para novas ferramentas, até que foram descobertos os metais e a manipulação destes.
Seja como foi esse processo, é o descendente TuvalCayn que se torna o mestre dos metais.

Nas teorias ditas científicas, a chamada Pré-história da humanidade se divide entre a Idade das Pedras (que se subdivide-se em Era da Pedra Lascada e Era da Pedra Polida) e a Idade dos Metais (que se subdivide-se em Era do Cobre, Era do Bronze e Era do Ferro). As datas para esses períodos destoam-se bastante das Escrituras Sagradas, mas a datação da chamada Idade dos Metais se aproxima do período em que Adam e TubalCayn viveram.

Um dos primeiros artefatos de ferro conhecidos é uma adaga, com a lâmina de ferro encontrada numa tumba Hatita na Anatólia, datada de 2 500 a.C.
Porém o cobre possui evidência bem mais antigas: Objetos de cobre de 6000 a.C. foram encontrados em Çatal Höyük, Anatolia. Descobriram-se moedas, armas, utensílios domésticos sumérios de cobre e bronze de 3000 a.C., assim como egípcios da mesma época, inclusive tubos de cobre. Na Europa, o homem de gelo encontrado no Tirol (Itália) em 1991, cujos restos têm uma idade sugerida de 5300 anos, estava acompanhado de um machado de cobre com uma pureza de 99,7%, e os elevados índices de arsênico encontrados em seu cabelo levam a supor que fundiu o metal para a fabricação da ferramenta.


TUVALCAYN, no hebraico [קין תובל] significa retorno (Esdras 5:5,11) de Cayn͟.
Se denominássemos uma pessoa com referência a homens cruéis do passado, tais como “O Novo Hitler”, ou “Bin Laden II”, ou “Josef Estaline Júnior”, qual seria o sentimento das pessoas que sofreram nas mãos de seus antepassados ou que souberam do que eles fizeram? O que a sociedade de Sete, por exemplo, pensaria sobre TuvalCayn?
Se Cayn matou o justo Abel, o que TuvalCayn (O Retorno de Cayn) não prometeria para os filhos de Deus? No mínimo, medo, quem sabe, pavor, desejo de se esconder dele, ou, então, se preparar para se defender dele...
Já para os descendentes de Cayn, TuvalCayn seria a sua glória, aquele que lhes traria fama, o seu ‘gigante’!

“Havia naqueles dias gigantes na terra...” Gênesis 6:4


10. NAAMAH

“E Zilá também deu à luz a Tubalcaim, mestre de toda a obra de cobre e ferro; e a irmã de Tubalcaim foi Naamá.” Gênesis 4:22

NAMH, no hebraico [נעמה] significa encanto, doçura, beleza, amabilidade.

A princípio, não temos em Gênesis 04 nenhum comentário a cerca do comportamento desta mulher e o significado do seu nome não nos apresenta, a princípio, nada de mal. Pelo contrário. Vamos, porém, analisar alguns fatos:

* Seus três irmãos eram líderes. Jabal e Jubal eram os ‘pais’, os ‘primeiros’, os ribeiros que arrastaram multidões. TuvalCayn era ‘mestre’. Naamá, querendo ou não, pode ter influenciado sua geração, talvez com seu ‘encanto, doçura, beleza e amabilidade’. Sua sensualidade, a utilização de joias feitas de ossos e outros materiais que hoje encontramos em cavernas juntos com instrumentos musicais e armas de guerra antigas, quem sabe espelhos de cobre, e outras estratégias, deram destaque a Naamá.

* A única mulher que conclui uma genealogia nas Escrituras. Se você analisar as genealogias das Escrituras Sagradas, as mulheres quase nunca são citadas, muito menos são a conclusão da família.
Sempre há no fim alguém a quem a história quer revelar como o ser humano mais importante originado daquela família. Noé e seus três filhos em Gênesis 05, Abraham e Ló em Gênesis 10 e 11, Moisés e os filhos de Arão em Êxodo 6.
Porque, então, o destaque para Lameque e seus quatro filhos em Gênesis 04? E por que Naamá é a última a ser citada? Ela, com certeza, não é menos importante que seus três irmãos, mas tem um peso maior que o deles. Veremos o motivo...

* Ela é o elo entre Gênesis 4 e 5, e provavelmente, a causa do início de Gênesis 6. Em Gênesis 04, vemos a descendência de Cayn, aqui analisada. E, como temos visto, seus nomes representam negatividade e más influências. Já em Gênesis 05, vemos a descendência de Sete, irmão de Cayn. Nessa família temos homens que buscam a Deus, como Enos, Enoque, Noé e Sem. Porém, o início de Gênesis 06 é intrigante:

“E aconteceu que, como os homens começaram a multiplicar-se sobre a face da terra, e lhes nasceram filhas, viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas; e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Então disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem; porque ele também é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos. Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama. E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração.” Gênesis 6:1-6

Filhos de Deus x filhas dos homens? Gigantes antes x gigantes depois?
Esse texto acima é um dos mais intrigantes de todas as Escrituras. Há quem tente defender que os filhos de Deus seriam anjos, ou mesmo extraterrestres, semideuses mitológicos e tudo mais. Há quem defenda que esses gigantes sejam monstros do tamanho de prédios e montanhas.
Porém, como temos tentado fazer desde o início deste estudo, precisamos analisar o “mundo real” e interpretar a Palavra de Deus com coerência e contexto, sem viagens de lendas totalmente fora de contexto...

* As plantas e sementes estão totalmente ligados a Adam: “E toda a planta do campo que ainda não estava na terra, e toda a erva do campo que ainda não brotava; porque ainda o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra.” Gênesis 2:5
* Deus criou Adam como uma semente para frutificar: “E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra...” Gênesis 1:28a
* Deus criou Adam para que ele frutificasse filhos para Ele: “E não fez Ele somente um, ainda que lhe sobrava o Espírito? E por que somente um? Ele buscava uma semente para Deus...” Malaquias 2:15a
* Por causa do pecado de Adam, a terra se tornou maldita e surgiram os espinhos (a má semente): “E a Adão disse: Porquanto deste ouvidos à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida. Espinhos, e cardos também, te produzirá; e comerás a erva do campo.” Gênesis 3:17,18
* O surgimento da má semente trouxe também o aumento das dores de parto: “E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos...” Gênesis 3:16a
* Após o pecado surgiria a semente da mulher (a boa semente, os filhos de Deus) e a semente da serpente (os filhos de Satan): “Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isto, maldita serás mais que toda a fera, e mais que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida. E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Gênesis 3:14,15

Todos os homens são filhos de Adam: “E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação;” Atos 17:26
Alguns são chamados de filhos de Deus (como os anjos que escolheram ao Senhor também o são) e outros são chamados de filhos de Satan (porque escolheram seguir ao anjo caído). Cayn é um exemplo de filho de Satan:

“Nisto são manifestos os filhos de Deus, e os filhos do diabo. Qualquer que não pratica a justiça, e não ama a seu irmão, não é de Deus. Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. Não como Caim, que era do maligno, e matou a seu irmão. E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más e as de seu irmão justas.” I João 3:10-12

Sendo assim, as filhas dos homens que surgiram após os homens começarem a se multiplicar, citadas em Gênesis 06, são mulheres como Naamá, que encantam com sua beleza, formosura. Mas foram o laço para a destruição dos filhos de Deus. Isso porque se casando com elas, os filhos de Deus também produziram os gigantes, interpretando, os caídos, que se tornaram piores do que os filhos de Cayn (isso mesmo: pior do que os filhos de Cayn), e provocaram a manifestação nos céus da ira de Deus, como a PIOR GERAÇÃO DE TODOS OS TEMPOS, o que trouxe o dilúvio sobre a terra!

Se quiser um exemplo de união entre os filhos de Deus e os filhos de Satan, vide a Idade das Trevas, onde homens ímpios, unidos ao império, lideraram a igreja e quanto mal fizeram!


A geração dos filhos de Deus que foram seduzidos por Naamá e foram arrastados pelo modo de vida de YAVAL, YUVAL e TUVALCayn, foram destruídos, arrastados pelas águas do MAVUL (dilúvio). Observe que no hebraico a raiz dos quatro nomes estão interligadas... Nada é por acaso! A descendência de Cayn foi extirpada no dilúvio, mas os seus ideais permaneceram e se manifestaram em diversas fases da humanidade, até hoje... Um modo de vida que exclui o Criador e tenta preencher em vão com toda forma de prazeres, invenções, tecnologias e sede de poder. Tudo é vaidade...



Meu querido que lê essa mensagem, vivemos em uma sociedade que defende a marginalidade, libertinagem e o vício como se fossem corretos, e que odeia quem fala a verdade e luta pela preservação da moral e bons costumes. Vejo uma geração sendo arrastada por ideias políticas, por um lado, defendendo a liberação das drogas, do aborto, a proteção de criminosos e uma pregação torta de um falso amor que aceita tudo, por outro lado, defendendo o incentivo ao uso de armas de fogo, a violência e o fanatismo (seja por homens, seja por entretenimento, ou mesmo uma vida religiosa vazia do Espírito Santo). Como está o coração do Pai diante de tudo isso?
A pior situação não é aquele que está longe de Deus ter pensamentos contrários aos que Deus se agrada. É triste quando isso acontece dentro do ceio daquela que deveria ser a Noiva do Cordeiro, a Igreja santa do Senhor...
Não virá outro dilúvio, mas precisamos vigiar, pois Deus mais uma vez manifestará o Seu juízo dos céus...

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.” Mateus 24:37-39

A sociedade de Cayn é o retrato da sociedade que foi destruída no dilúvio. A sociedade de Cayn é o retrato daquilo que a nossa sociedade está se tornando... Mas Enoque profetizou: Jesus virá! Prepare-se!