01 julho 2012

UM JEJUM QUE AGRADA A DEUS



Outro dia, conversando com um amigo baiano, Rodrigo Berto, sobre um propósito que este estabeleceu com Deus, entramos num assunto interessante, que me despertou para o seguinte questionamento: a Bíblia estipula regras para jejuar?
Há os que afirmam que jejum tem que ser abstinência temporária de qualquer coisa que seja ingerida de forma oral, seja comida ou bebida. Outros dizem que podem beber água etc.

Tipos de Jejuns Atuais
Já vi pessoas jejuarem das mais variadas formas possíveis:
- Jejum de comida e bebida (seja de 6, 12, ou até 24 horas. Há os que fazem até mais que isso, pois já condicionaram o corpo a isso pela prática constante);
- Jejum só de comida (lembrando que não vale usar isso como desculpa para encher o estômago de água para tentar disfarçar a fome);
- Jejum de internet (ou, pelo menos, dos sites de relacionamentos, para aqueles que dependem da internet para trabalhar);
- Jejum de TV, ou de determinados tipos de programas televisivos;
- Jejum de Coca-cola (ou de refrigerantes em geral);
- Jejum de palavras para aqueles que precisam se moderar no falar (ou seja, ficar um tempo sem conversar com ninguém, senão com o Senhor, apenas cumprimentando as pessoas, ao chegar em certos lugares para também não agir sem educação);

Exemplos de Jejuns Bíblicos
Mas o que a Palavra de Deus fala sobre tudo isso?

- Moisés, por três vezes, se absteve de comida e bebida durante 40 dias (Êxodo 24:18; 34:28; Deuteronômio 9:9,18,25; 10:10). Elias (I Reis 19:8) e o Senhor Jesus (Mateus 4:2; Lucas 4:2) também jejuaram por 40 dias.

- O povo israelita tinha que, a cada sete dias (Levítico 23:3), sete anos (Levítico 25:3,4) e setenta anos (Levítico 25:8-11), guardar um sábado sem fazer trabalhos profissionais, separando este tempo totalmente para Deus;
- Daniel, na Babilônia, por três vezes cita que fez jejum. A primeira vez foi um jejum da comida do palácio, alimentando-se apenas de legumes por três anos seguidos (Daniel 1), depois não menciona o tipo de jejum (Daniel 9:3) e, por último, fez jejum de três semanas, ou melhor, 21 dias, de, segundo ele, toda comida desejável, ou seja, carne e vinho (Daniel 10:3);
- Para obedecer as orientações do profeta Joel (Joel 1:13,14; 2:12,15), João, o batizador, trocou as vestes sacerdotais de sua tribo levítica por roupas feitas de pele de carneiro e fez jejum, comendo apenas gafanhotos e mel silvestres (Mateus 3:4; Marcos 1:6);
- O apóstolo Paulo adverte em I Coríntios 7:3-5 sobre o jejum de relações sexuais (lembrando que isso só poderia ser feito se o casal entrasse em consenso);

Para que jejuar?
As outras vezes que menciona-se jejum na Palavra não faz menção especificamente sobre que tipo de jejum se trata, tal como em II Crônicas 20:3; Esdras 8:21; Ester 4:3; 9:31; Salmos 35:13, Jeremias 36:6,9; Jonas 3:5, mas nota-se que em todas essas passagens o motivo do jejum é para separação diante de Deus, para que o servo do Senhor se consagrasse suplicando perdão, favor etc. da parte de Deus.
A exceção é I Reis 21:9,12, onde ocorre um falso jejum para satisfazer as vontades malignas de Jezabel, esposa do rei Acabe.
Ainda sobre a ligação do jejum com a consagração a Deus, o próprio Senhor Jesus, embora não tenha em alguns originais das Escrituras, parece mencionar que a unção do servo de Deus também está ligada à busca ao Senhor pelo jejum (Mateus 17:21; Marcos 9:29).

O Jejum que Agrada a Deus
A palavra “jejum”, muito utilizada hoje, inclusive pelos médicos, está associada apenas com um período de fome (Atos 27:9; II Coríntios 11:27). O simples fato de ficarmos algumas horas sem comer não em nada tocará o coração de Deus e o fará mudar Seu juízo.
Jesus reprovou os religiosos ao dizer: “E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.” Mateus 6:16
O profeta Isaías condena a hipocrisia dos religiosos que passam momentos sem comer, afirmando ser isso um jejum para Deus, mas não fazem a vontade dEle, tornando inútil seu jejum. Deus valoriza muito mais o amor do que em simples rituais vazios.
Dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais achais o vosso próprio contentamento, e requereis todo o vosso trabalho. Eis que para contendas e debates jejuais, e para ferirdes com punho iníquo; não jejueis como hoje, para fazer ouvir a vossa voz no alto. Seria este o jejum que eu escolheria, que o homem um dia aflija a sua alma, que incline a sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aprazível ao SENHOR? Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda. Então clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente; E se abrires a tua alma ao faminto, e fartares a alma aflita; então a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia. E o SENHOR te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; e serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca faltam.” Isaías 58:3-11
Houve um episódio em que Jesus foi confrontado porque seus discípulos eram diferentes dos religiosos e, até mesmo, dos discípulos de João batista:
Então, chegaram ao pé dele os discípulos de João, dizendo: Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam? E disse-lhes Jesus: Podem porventura andar tristes os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? Dias, porém, virão, em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão.” (Mateus 9:14,15; Marcos 2:18; Lucas 5:33).
Sem nos aprofundarmos nos detalhes sobre esta última passagem, Jesus não está reprovando o jejum, como alguns hoje afirmam. Pelo contrário, Jesus reconhece o valor do jejum, mas adverte a todos que o jejum é um ato especial, que precisa de tempo certo, com propósito certo e motivação correta.
Portanto, o jejum por si só não fará efeito na vida de ninguém, mas este é um sinal de que temos entregue nossa vida ao Senhor e que queremos que a Sua vontade, não a nossa, seja feita. Se queres fazer um jejum que agrade a Deus, antes de ficar sem comer, doe um tempo para alguém que precisa de sua ajuda. Fale do amor do Senhor, ajude um carente, visite um enfermo etc. Esses são alguns dos jejuns que agradam a Deus...

4 comentários:

Anônimo disse...

show...

MARCOS JUNIO LEVITA disse...

MUITO BOM GOSTEI ME AJUDOU MUITO

MARCOS JUNIO LEVITA disse...

muito bom palavras fortes ..que ajudam muito..fica com deus

MARCOS JUNIO LEVITA disse...

ooooogloriaaa