29 abril 2011

Os Demônios

1. Quem são eles?

A palavra demônio é de origem grega (daimon) e alude aos seres sobre humanos que, para os gregos, agiam tanto benignamente quanto malignamente. O termo “daimónion” ficou traduzido em algumas passagens bíblicas como superstição, ou religiosidade (Atos 17:18,22; 25:19), se referindo “àqueles que temem aos demônios”.

Apesar disso, o termo significa não apenas seres superiores, mas seres espirituais da maldade, ou seja, os seres celestes que foram expulsos dos céus junto com o nosso Adversário. Podemos perceber pelas Escrituras que esses seres habitam em algumas pessoas, perturbando-as e colocando enfermidades nelas (Mateus 8:16,31).

Na Bíblia, nem sempre os seres celestes caídos recebem o nome de demônios, mas de espíritos iníquos, impuros etc. (Mateus 10:1; Marcos 9:17,25; Lucas 7:21). Além disso, são chamados de hostes, que significa um exército, tropa, milícia da força militar inimiga. O termo vem da palavra “hostil” e era sinônimo de bárbaro.

Foi na Mesopotâmia, após a torre de Babel, que apareceram os primeiros sacerdotes e astrólogos e, assim, por mais que não percebessem, os demônios disfarçados de “astros do zodíaco” começaram a controlar as atitudes de quase toda a população do planeta (Jeremias 10:3-5). As pessoas acreditam em signo de acordo com a data de seu nascimento e até para se vestirem, irem trabalhar ou conversar com alguém, consultam o horóscopo para tomar suas decisões. Sem perceberem, estão invocando os demônios para atuarem sobre suas vidas. Foi esse o primeiro tipo de religião que apareceu e vigora até hoje. Jornais de grande tiragem possuem horóscopo do dia, búzios, cartas, cabala etc., porém, nenhum deles tem um versículo bíblico para meditação. Por que será isso? Não há outro motivo, a não ser influência demoníaca.

Esses fatos acima, por mais que muitos duvidem, ou prefiram nem acreditar, por medo ou conformismo, é a realidade. O mundo está sofrendo pela influência de Satanás e seus demônios sem perceber. E a situação piora porque, cada vez mais, a humanidade vai deixando os demônios atuarem em suas vidas.

Os demônios se fingem de anjos bons (Gálatas 1:6-9), enganam com adivinhações (Levíticos 19:31; I Samuel 28:6-25; Isaías 8:19; Lucas 16:26-31) ou assumem imagens de santos ou deuses que fazem milagres (Deuteronômio 32:17; Salmos 106:37; Apocalipse 9:20). Os que adoram ídolos acham que são santos ou representações dos santos (Êxodo 20:1-5; 32:7-9; Levíticos 26:1; Números 33:52; Deuteronômio 5:7-9; 27:15; II Reis 21:11; Salmos 115:4-8; 135:15-18; Isaías 30:22; 41:29; Ezequiel 8:9-17; Atos 15:20; 21:25; II Coríntios 6:16; I João 5:21; Apocalipse 21:8), mas, na verdade, são demônios que estão recebendo aquela oferenda, oração e realizando a vontade deles, sem saber, pois o Diabo prefere não se apresentar, para continuar enganando as pessoas e as distanciando cada vez mais de Deus (Deuteronômios 13:1-3).

“Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios.” I Coríntios 10:19-21

A seguir, apresento uma tabela com alguns dos deuses cultuados pelos povos antigos para que façamos algum tipo de comparação entre eles:

Deuses Primitivos

Deuses da Antiguidade

Deuses Gregos/ Romanos

Deuses Africanos

Deuses Brasileiros

Deuses Católicos

Astros:

Adrameleque, da Assíria (II Reis 17:31)

Amom, de Tebas (Jeremias 46:25)

Anameleque, da Assíria (II Reis 17:31)

Asima, da Assíria (II Reis 17:3)

Astarote, deusa do sexo e da guerra, dos sidônios (Juízes 2:13; 3:7; 10:6; I Samuel 7:4; 12:10; 31:10; I Reis 11:5,33; II Reis 23:13)

Baal, deus da chuva, dos cananeus (Números 22:41; Juízes 2:13; 6:28-32; I Reis 16:32; 18:17-40; 19:18; II Reis 3:2; 10:18-28; 21:3-5; 11:18; Jeremias 19:5)

Bel, da Babilônia (Isaías 46:1; Jeremias 50:2; 51:44)

Belzebu, senhor das moscas (II Reis 1:2,6,16; Mateus 10:25; 12:24,27; Marcos 3:22; Lucas 11:15,18,19

Berite, de Siquém (Juízes 9:4,46)

Dagom, deus da vegetação, dos filisteus (Juízes 16:23,24; I Samuel 5:2-4; I Crônicas 10:10)

Gade, deus da fortuna (Isaías 65:11)

Meni, deus do destino ou da boa sorte (Isaías 65:11)

Milcom, dos amonitas (I Reis 11:5,33; II Reis 23:13; Sofonias 1:5)

Moloque, deus dos sacrifícios humanos, dos amonitas (I Reis 11:7; II Reis 23:10; Jeremias 32:35; Amom 5:26; Atos 7:43)

Nergal, da Mesopotâmia (II Reis 17:30)

Nilbaz (II Reis 17:31)

Nisroque, da Assíria (II Reis 19:37; Isaías 37:38)

Quemos, dos moabitas (Números 21:29; Juízes 11:24; Jeremias 48:46; I Reis 11:7; II Reis 23:13)

Renfã (Atos 7:43)

Rimom (II Reis 5:18)

Sucote-Benote (II Reis 17:30)

Tamuz (Ezequiel 8:14)

Tartaque (II Reis 17:30)

Afrodite/Vênus, deusa da beleza e do amor

Apolo/Febo, deus do sol e da música

Ares/Marte, deus da guerra

Ártemis/ Diana, deusa da caça e da lua (Atos 19:23-40)

Atena/ Minerva

Castor e Pólux, deuses gêmeos, responsáveis pelos ventos e ondas (Atos 28:11)

Cronos/ Saturno, deus do tempo

Démeter/ Ceres, deusa da agricultura

Dionísio/ Baco

Eros/ Cupido, deus do amor

Hades/ Plutão, deus dos mortos

Hefesto/ Vulcano, deus dos raios

Hera/ Juno, rainha dos deuses

Hermes/ Mercúrio, deus da habilidade, dos comerciantes e ladrões (Atos 14:12)

Héstia/ Vesta

Leto/Latona

Poseidon/ Netuno, deus dos oceanos

Zeus/ Júpiter (Atos 14:12,13), pai dos deuses e dos homens

Exu, deus das mensagens e dos caminhos

Ogum, deus guerreiro

Oxossi, deus das florestas e da caça

Ossaim, deus das plantas

Obaluaiê ou Omolu, deus das doenças

Oxumaré, deus da fertilidade

Ewá, deus da chuva e da magia

Xangô, deus do trovão

Oxum, deusa dos rios e das cachoeiras

Iansã, guerreira, deusa dos ventos, raios e trovões

Logun-Edé, deus dos rios e mares

Obá, deusa do equilíbrio e da justiça

Iemanjá, deusa dos mares

Nanã, deusa dos doentes terminais

Ibeji, deuses gêmeos, protetores das crianças e da família

Oxalá, pai dos deuses africanos, dos homens e do mundo, deus da agricultura.

Boitatá, que é uma cobra de fogo

Boto cor de rosa, homem que encanta as mulheres e as engravida

Caipora/ Curupira, protetor das matas, que tem os pés virados para trás

Lobisomem, que é o homem que se transforma em lobo

Sereia/Iara, com corpo metade mulher, metade peixe

Mula sem cabeça, que é um quadrúpede que, ao invés da cabeça, tem fogo no pescoço

Saci-Pererê, um menino negro de apenas uma perna, que faz travessuras e usa gorro e chapéu vermelho

Santa Bárbara,

São Bartolomeu,

São Benedito,

Santa Catarina,

Santa Clara,

São Cristóvão,

São Cosme e Damião,

São Dimas,

Santa Edviges,

São Francisco,

São Gonçalo,

São João Batista,

São João Evangelista,

São Jorge,

São Lázaro,

São Lucas,

São Marcos,

Virgem Maria,

Santa Marta,

São Mateus,

São Matias,

São Miguel Arcanjo,

São Paulo,

São Pedro,

São Roque,

São Sebastião,

São Tomé,

São Tomás de Aquino,

São Vicente,

Sol, lua, estrelas e planetas (Deuteronô-mio 4:19; 17: 3; II Reis 17: 16; 21:3; Je-remias 7:18; 8:2; 19:13; 44:17; Eze-quiel 8:16; Sofonias 1:5)

Animais:

Bezerros (Êxodo 32:4; Deuteronô-mio 9:16; I Reis 12:28; II Reis 10:29; 17:16; II Crônicas 11: 15; 13:8; Ne-emias 9:18; Salmos 106: 19; Oséias 10:5; 13:2; Atos 7:41), Serpentes (II Reis 18:4) e outros rép-teis (Ezequi-el 8:10)

Plantas (bosques)

Êxodo 34:13; Deuteronô-mio 12:3; 16: 21,22; Juízes 6:25-30; I Reis 15:13; 18:19; II Reis 17:16; 18:4; 21:7; 23:4-7; Isaías 27:9

Pedras, amuletos

(Terafins)

Gênesis 31: 19,34; Juízes 17:5; 18:14; I Samuel 19: 13; Oséias 3:4

Após visualizarmos apenas um pouco das “diferenças” da idolatria no decorrer da história da humanidade, separado por nacionalidades e épocas, podemos perceber que os deuses (demônios) só mudam de nome e de forma, mas continuam atuando sobre os seres humanos, de acordo com sua permissão e adoração em áreas específicas. O reino das trevas é organizado e tem demônio para cada tipo de atuação e região.

* Assim como os deuses eram adorados por região, como por exemplo, Moloque era dos amonitas, Dagom dos filisteus e Baal dos cananeus, três povos vizinhos, hoje os santos católicos são padroeiros de determinadas regiões, cidades, times de futebol etc. É exatamente por causa disso que o índice de problemas e pecados de determinadas áreas são diferentes de outras. Cada uma está de acordo com o seu principado.

* Em todos eles há um deus que é o pai, ou líder, de todos os outros, tal como Baal, Zeus, Júpiter etc. Em seu interior, o homem sente e sabe a necessidade de haver um ser superior a todos os outros que criou todas as coisas, mas, infelizmente, eles se prostram diante de sua própria invenção.

* Há semelhanças entre a imagem de Diana, que “desceu de Júpiter” (Atos 19:35) com a imagem de Maria, que “apareceu num rio”, pois o inimigo engana as vidas, fingindo uma situação sobrenatural de algo que foi criado meramente pela mente humana.

* Sempre há deuses que influenciam ou recebem influências das águas, da terra, do fogo, do céu etc. Um exemplo disso no folclore brasileiro é o lobisomem que, em determinada lua, deixa de ser homem e vira lobo. Mas os astros celestes não podem nos influenciar, como sempre o adversário tentou nos convencer...

* O símbolo do bode está presente em todas as culturas, pois, por exemplo, os gregos tinham o deus Pã, que era metade homem, metade bode; No espiritismo há entidades que gostam de sacrifícios de bode; Na maçonaria, há o pacto com o bode, inclusive a estrela de cinco pontas tão famosa é o símbolo do bode; Na própria Bíblia os Adventistas acharam uma forma de comparar o bode emissário de Levíticos ao diabo, o que discordamos anteriormente.

Sem perceber tamanho perigo, a humanidade trocou ao Senhor Deus, Criador de todas as coisas, pelos espíritos demoníacos que estão por detrás de toda idolatria, feitiçaria e crenças anti-divinas. Analisemos esta passagem:

“Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda impiedade e injustiça dos homens que detém a verdade em injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder como a sua divindade, se entendem e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Pelo que também Deus os entregou às concupiscências do seu coração, à imundícia, para desonrarem o seu corpo entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém!” Romanos 1:18-25

Devemos ter cuidado e pedir o dom de discernimento de espírito, pouco buscado em nosso meio (I Coríntios 12:10). Por mais que seja até duro de aceitar, são demônios que estão curando milhares de vidas e fazendo vários sinais e prodígios, dando sua glória para “Virgem Maria”, “Santo Antônio”, “São Jorge”, “Orixás”, “doutor Fritz” etc. (II Tessalonicenses 2:9,10). Mas Deus, ao contrário de Satanás e seus demônios, não dá Sua glória para ninguém (Isaías 42:8).

Hoje, o Evangelho já foi escrito e não precisa ser acrescentado nada a ele. Infelizmente, há pessoas que dão crédito a evangelhos pregados por anjos, tais como Joseph Smith, líder dos Mórmons, que escreveu "O outro evangelho de Jesus Cristo" após ser conduzido pelo “Anjo Moroni”. Infelizmente, esse e outros não deram crédito à Palavra de Deus.

Além das aparições de anjos, as heresias surgem vindas de supostas revelações e visões, tais como no caso de Ellen White, fundadora do Adventismo do Sétimo Dia, o Alcorão, livro sagrado do islamismo supostamente revelado por Alá ao profeta Maomé, certas doutrinas católicas reveladas a três crianças pela suposta “Nossa” Senhora de Fátima, Allan Kardec, que escreveu o "evangelho segundo o Espiritismo", o fundador das Testemunhas de Jeová, Charles Russell que, contrariado com a doutrina da Trindade, resolve fazer a sua tradução da Bíblia, sem, ao menos consultar os originais no grego ou hebraico, até porque não conhecia essas línguas, e aproveita para profetizar o fim do mundo, a volta de Jesus e um monte de datas que falharam, além da ciência mentirosa que cria teorias para tentar contrariar a Palavra de Deus, como Darwin que escreveu a Teoria da Evolução (I Timóteo 6:20) etc.

Pensando sobre o fato de que os seres celestes são em números incontáveis e os que seguiram Satanás são uma terça parte disso, então há muitos milhões de demônios espalhados pelo planeta. Por exemplo, digamos que há 1.000.000.000.000 de anjos (se a Bíblia menciona que há milhões de milhões, então há ainda bem mais que isso...), um terço disso seria 333.333.333.333 demônios.

Esses anjos maus tiveram um dia o direito de serem participantes da glória celeste, mas rejeitaram. Por isso, não há mais oportunidade para eles. Quanto a nós, seres humanos que já nascemos do pecado, temos o direito, através da morte de Cristo Jesus, de podermos gozar da glória divina, que nunca tivemos acesso antes (Hebreus 2:16). Na passagem anterior, Jesus enfatiza que a oportunidade de arrependimento foi para nós, filhos da fé de Abraão, e não para eles. Os anjos não têm mais oportunidade de conversão! Mesmo para aqueles seres humanos que hoje experimentar a luz de Cristo e desprezam ao Senhor, apostatando-se da fé, não podem mais se arrepender e serem salvos novamente (Hebreus 6:4-8).

2. Os demônios também têm príncipes

É certo que entre os demônios também há principados (Efésios 6:12; Colossenses 2:15), tanto que vemos em Daniel 10 um ser espiritual denominado de príncipe da Pérsia, resistindo o anjo que foi enviado para levar a mensagem ao profeta Daniel. O arcanjo Miguel vem para guerrear contra ele e liberar o anjo. Então, por esta e pelas outras passagens abaixo, percebemos que o arcanjo é um ser guerreiro, ou que lidera nos momentos de guerra.

Entendemos que os príncipes que aparecem em Daniel 10:13,20 são príncipes de demônios, pois um ser humano normal, ainda mais um príncipe, não ficaria 21 dias diante de um mensageiro, parado, impedindo sua passagem. Além disso, a passagem é clara para definirmos que são espíritos, pois na época do cativeiro babilônico a Grécia não estava organizada ao ponto de ter um príncipe para todo seu território (Daniel 10:13,20). Esse fato ocorreu aproximadamente em 536 a.C., quando já haviam passados 70 anos de cativeiro babilônico, e o império grego só se ergueu aproximadamente em 331 a.C. Ou seja, uma média de 200 anos depois.

Quando Jesus se apresenta diante da legião que estava no corpo do endemoninhado gadareno, os espíritos imploram para não saírem daquela região. Provavelmente, aquele era o território deles (Marcos 5:10). Muitas vezes, sem perceber, países consagram seu territórios a demônios disfarçados em ídolos como, por exemplo, aqui no Brasil, que consagraram Maria como sua padroeira e aqui no Rio de Janeiro, que consagraram São Sebastião como padroeiro da cidade.

3. O Tártaro

Agora, uns anjos caídos estão aqui no planeta terra até hoje perturbando os seres humanos (I Samuel 16:14,15,23; 18:10; 19:9; Mateus 7:22; 8:31; 9:33,34; 10:8; 11:18; 12:24,27,28; 17:18; Marcos 1:34,39; 3:15,22; 6:13; 7:26,29,30; 9:38; 16:9; Lucas 4:33; 8:29; 9:42; 11:14,15; João 8:48,49; Atos 5:16; ITimóteo 4:1; Tiago 2:19; Apocalipse 12:4,9), mas outros foram aprisionados no que algumas traduções chamam de "cadeias eternas na escuridão" ou "abismo" (II Pedro 2:4; Judas 6; Apocalipse 9:1-11). Algumas traduções denominaram este lugar como "Inferno", mas, na verdade, o Inferno (no grego "Hades") é o lugar onde estão os seres humanos mortos que aguardam o Juízo Final. O abismo (no grego, "Tartaro") desses versículos seria um local mais profundo onde ficam aprisionados os seres celestes que tinham algum tipo de liderança especial, como numa masmorra.

Não entendemos porque alguns estão soltos agindo malignamente e outros estão presos, pois a Bíblia não está preocupada em detalhar as informações sobre os seres celestes para nós, mas basta sabermos o que nos foi revelado.

4. Possessão/Opressão

O Novo Testamento menciona muitas vezes pessoas sofrendo de opressão, influência maligna, ou possessão de espíritos malignos e Jesus aparece confrontando esses demônios. Porque os Evangelhos destacam tanto a manifestação dos demônios? Por que estes seres começaram a aparecer com mais evidência após a chegada de Jesus?

Com o aumento do ocultismo, da imoralidade e da violência no mundo, os demônios tiveram mais espaço para dominar a humanidade. Como falamos anteriormente, a serpente se transformou num grande dragão de sete cabeças... Quando Jesus chegou à terra, trouxe luz a tudo que estava oculto nas trevas (João 4-9). Ele veio justamente para “prender o valente e roubar sua casa”, libertando as vidas do inimigo (Marcos 3:27).

A pessoa possuída pode ser morada de vários demônios (Mateus 12:43-45; Marcos 5:9,13; 16:9), podem sofrer de enfermidades provocadas por eles (Mateus 9:32,33; 12:22; 17:14-18; Marcos 9:17-27; Lucas 13:11,16) e falam através das vozes dessas pessoas. Escravizam tais indivíduos e os induzem à iniqüidade, à imoralidade e à destruição. No ato da manifestação da possessão demoníaca, a nova personalidade apresenta feições de caráter diferentes daquelas que pertencem à última em seu estado normal. Na possessão, os demônios controlam as atitudes das pessoas ao ponto de as levarem ao suicídio, como foi o caso de Saul – I Samuel 16:14-23; 18:10; 19:9; 30:4 - e de Judas – Mateus 27:5; Lucas 22:3; João 13:27.

Quem tem é convertido e, portanto, tem o Espírito Santo como sua habitação (I Coríntios 3:16; 6:19; II Coríntios 6:16; Efésios 2:21; ), não pode ser possuído de demônios, mas temos que ter cuidado com as vozes demoníacas e opressão maligna, que tenta nos iludir e nos distanciar do Criador (Mateus 16:23; II Coríntios 11:3)!

O termo opressão deriva da idéia de “ser esmagado” e seria uma sensação de sufocação, dificuldade de respirar, jugo, humilhação (Atos 10:38). Nesse caso, os demônios procuram nossos pontos fracos para nos enfraquecer, produzindo desejos pecaminosos, como o inimigo fez com Eva no Paraíso (Gênesis 3:1-7), com Jesus no deserto (Mateus 4:1-11), com o apóstolo Paulo (II Coríntios 12:7) etc.

5. Meios de Influências demoníacas:

Existem diversas formas dos demônios encontrarem espaço no coração e mente de uma pessoa:

- Maldição hereditária/ influências na criação;

Existem pessoas que, por verem seus pais fumando, são levadas ao vício do fumo; Por verem seus pais brigando, crescem com instinto briguento; Por crescerem em meio ao tráfico, são levadas à marginalidade etc. Isso não é uma regra, mas tem levado a maior parte da população a se afastar de Deus e ter isso como algo natural, tendo em vista que seus pais, avós, conhecidos fizeram e tiveram algum tipo de falso “êxito”.

Tudo começou em Gênesis, logo após o pecado entrar no mundo: Haviam duas famílias principais: a de Caim e a de Sete, os dois filhos de Adão e Eva. Caim era maligno (Gênesis 4:5-16, I João 3:12; Judas 10,11) e sua família seguiu seus passos, sendo cada vez piores (Gênesis 4:17-24), até o ponto de Deus não suportar mais (Gênesis 6:3). Já para Sete a Bíblia fala que ele era um homem que tinha a imagem de Adão, que tinha a imagem de Deus (Gênesis 5:1-3), que nasceu no lugar do justo Abel (Gênesis 4:25; Hebreus 11:4) e sua família servia ao Senhor (Gênesis 4:26; 5; Hebreus 11:5 etc.).

O outro exemplo para o tipo de maldição hereditária é o que relata os livros de Reis e Crônicas. Se analisarmos a história dos reis do Reino do Norte (Israel) e o Reino do Sul (Judá), perceberemos que Israel desde o início foi cada vez mais denegrindo sua imagem perante o Senhor e por isso recebeu castigo mais severo: Jeroboão I, Nadabe, Baasa, Ela, Zinri, Tibni, Onri, Acabe, Acazias, Jorão, Jeú, Jeoacaz, Jeoás, Jeroboão II, Zacarias, Salum, Menaém, Pecaías, Peca e Oséias foram todos reis maus e os israelitas pagaram por isso com a destruição e a dispersão.

Em relação ao Reino de Judá, oscilava entre reis bons e maus, mas as consequências do pecado de um rei mau acabavam recaindo sobre os seus descendentes bons até que os judeus foram levados cativos para a Babilônia.

- Mágoas, sentimentos de dor, complexos, rejeições, falta de perdão;

- Pecado;

O pecado é a brecha mais fácil para o Inimigo entrar. Quando mais pecamos, mais distante estamos do Pai e mais próximos do maligno.

- Ligações com práticas espíritas, ocultistas, satanistas etc. da própria pessoa, de outros, de objetos ou locais.

- Arte secular;

Esse assunto não é muito abordado no meio evangélico, mas é necessário falar:

Até onde a arte pode influenciar uma pessoa? É fato que cada movimento artístico antecede uma onda de vícios, manias, costumes pecaminosos que acarretam à humanidade o afastamento de Deus. Na música, temos o exemplo de Van Gogh. E poderíamos incluir as novelas, filmes, desenhos infantis, pinturas etc.

A literatura secular destrói o coração das pessoas... Já era antiga a história de Romeu e Julieta, onde o casal se mata por amor, mas o “morrer por amor” foi tema de vários livros do estilo romântico e inspirou os seus próprios autores e leitores a se suicidarem. Exemplo disso é Camilo Castelo Branco, escritor do “Amor de Perdição”.

Os acomodados e néscios alegam que os relatos da arte são apenas a “realidade”, mas será verdade que, como o próprio Camilo Castelo Branco afirmou, a arte imita a vida ou, na verdade, a vida imita a arte? Desde a Antiguidade, enquanto Aristóteles defende a arte como aquela que levo o homem ao prazer, Platão é contra, porque incita o ser humano a errar contra o próximo.

Agora, se olharmos para a Palavra, entenderemos que as pessoas que estão atrás de entretenimento, não são filhos de Deus, mas pessoas carnais: Como falamos anteriormente, as famílias de Caim e Sete eram bem diferentes. A família de Caim queria buscar o “desenvolvimento urbano” (Gênesis 4:17), o “sexo libertino” (Gênesis 4:19), as “construções engenhosas” e as “posses” (Gênesis 4:20), a “música como forma de distração” (Gênesis 4:21), as “armas” e “jóias” (Gênesis 4:22) e a “violência crescente” (Gênesis 4:23,24), já a família de Sete só queria buscar e andar com o Senhor, nada mais (Gênesis 4:26; 5:22-24; 6:8,9).

A Palavra nos ensina:

“Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes.” I Coríntios 15:33

O amigo do pecado logo será companheiro do pecado (Provérbios 13:20;28:24). Brincar com o pecado apenas fortalecerá o seu poder dele em a sua vida, assim como ocorreu com Sansão. Para Satanás uma meia vitória já é uma vitoria total.

Um comentário:

Ariane disse...

Muito bom o texto, otima viajem pela Biblia. Adorei, novos conhecimentos sempre são bem vindos.